Artistas

Kátia Guerreiro
Fadista

“A sua carreira como fadista tem início em 2000, com a sua presença no concerto de homenagem a Amália Rodrigues, no Coliseu de Lisboa. Público e crítica rendem-se à sua interpretação de Amor de Mel, Amor de Fel e de Barco Negro, considerando-a a melhor actuação da noite.
No ano seguinte (2001), edita FADO MAIOR, o seu primeiro CD, que chega a Disco de Prata, é nomeado para o Prémio José Afonso e pioneiro na Coreia do Sul, onde entra para o top de vendas.”

NUM GESTO QUE SE ADIVINHA

Fado Maria Rita
Música: Armando Machado
Letra: Tiago Torres da Silva
Voz: Kátia Guerreiro

Eu uso um xaile bordado
Porque os p’rigos que há no fado
São bem maiores que os da vida
O xaile é como uma pele
E quando me embrulho nele
Sinto-me mais protegida

Parece umas mãos de mãe
Sabem guiar-nos tão bem
E sossegam tantos medos
Que sempre que elas me tocam
As franjas do xaile evocam
A ternura dos seus dedos

Num gesto que se adivinha
O xaile é uma andorinha
Num céu que eu mesma criei
Mas assim que o braço pára
O xaile que antes voara
Parece o manto de um rei

E quando o corpo desiste
Numa palavra mais triste
Num grito mais demorado
O xaile velho e sem franjas
São asas de anjos ou de anjas
Que me aconchegam ao fado